terça-feira, 26 de janeiro de 2010

“Um laivo de lirismo nunca fez mal a ninguém”


Sarava!


“Um laivo de lirismo nunca fez mal a ninguém”.

Posto isto, vou descrever os meus caminhos habituais quase em piloto automático que faço desde casa ao trabalho. Se calhar culpa deste sol, o percurso que repito diariamente parece-me sempre novo.

Desde a curva, da saída para o campo alegre, que me faz espreitar, por entre as casitas e os estendais, o rio trémulo e brilhante sob as pontes.

Depois as bandeiras do Hotel Ipanema que me acenam coloridas como que a dizer “Bom dia alegria!”.

E, hoje, até as ilhas de cabelo, rodeadas pela calvisse, de homens de meia-idade me pareciam simpáticas. Apesar de não me ter apaixonado, até a montra dos chineses da rua da Torrinha me entretinha, com os seus gatinhos de plástico, a pilhas, a mexerem-se.

Pudesse eu escrever histórias, e condimentá-las... e o meu dia estaria completo.


_E se eu fosse puta...Tu lias?_


P.S.- Imagem da obra de Nuno Machado, 138x138cm, acrílico s/MDF lacado, 2010

11 comentários:

Pelos caminhos da vida. disse...

Viver é ter chance de acreditar que,
a cada dia podemos fazer mais que imaginávamos.
É acalentar sonhos e esperanças, fazendo da fé,inspiração maior.
É buscar nas pequenas coisas,
um grande motivo pra ser feliz.

Um ótimo dia pra vc.


beijooo.

Carlos Pires disse...

O eventual mal do lirismo não dependerá das circunstâncias? Talvez haja ocasiões é que faz mesmo mal. Num incêndio, por exemplo.

Sandra Botelho disse...

pequenas coisas, minusculos detalhes, as vezes não observados, podem conter toda a felicidade do dia.
Bjos meus!

valvesta disse...

bom dia
que dia bom
que o amanhã venha assim com visão de carinho.
beijos

Renata (impermeável a) disse...

já se dizeram que quem reclama da rotiná é mediocre.

eu gosto da poesia que existe no cotidiano.


gostei do seu espaço

adelaine.

Gian Fabra disse...

coisas de sóis...
e dias completos

belo!

Mika disse...

Que outros condimentos mais poderias adicionar a um texto em correria pela calçada abaixo escrevendo na memória para mais tarde cozinhar?...
Já tinha visto o link mas ainda não tinha entrado...desta vez vim "invictar"-te decidido.
...e ler-te-ia fosses o que fosses...
Abraço

Miguel

Carlo Rochas disse...

Desnorteado, ando longe de tudo, até do que leio ou até possa escrever. Aprecio uma grande parte dos tuas transposições. Uma certa , há já algum tempo, singular, extemporânea, deixa-nos saudades do que cruzamos. Daqueles momentos únicos que fazem pensar que ali era assim, e não de outra forma, que foi “nosso”. Até muito breve.

Vieira Calado disse...

Alguém já disse (em face de todos os modernismos):

"O lirismo volta sempre!"

Bjs

Papoila disse...

Olá!
Tenho andado ausente... lá no campo está a explicação...Amor e Vida!
Beijos

dragao vila pouca disse...

Olá pequena, não te tenho lido e por isso perdi qualquer coisa: "Desde a curva, da saída para o campo alegre..." Então já não moras no Concelho de Matosinhos? Trocaste-nos? A Conca como vai? Ainda namoras o mesmo? A galeria - não digas nada! - como vai?

Beijinhos